Escolha uma Página

 

Os outros mais de 40 prefeitos do Consamu já sabem tudo sobre o descompasso entre o presidente do Consórcio, Jucenir Leandro Stentzel, que exonerou por conta e risco o competente diretor médico Rodrigo Nicácio, arrumando confusão com o colega cascavelense. Certo mesmo é que o prefeito Leonaldo Paranhos continua descontente, embora decidido a manter o Município no Consorcio e tentar a volta de Rodrigo ao cargo. Segundo confirmado pela assessoria do alcaide, os dois conversaram na sexta passada. O ex-coordenador do serviço de atendimento do Samu retornou aos plantões depois de tirar férias. Ele ainda se recusa a falar na imprensa, porém comenta entre amigos desconhecer os motivos da demissão. Jucenir justifica se tratar de medida administrativa que tomou sem consultar ninguém por ter a caneta cheia. Segundo explica nos meios de comunicação, a idéia foi fazer rodízio e dar chance a outros colaboradores, embora reconhecendo que nenhum tem a experiência e preparo do agente afastado. No caso de ser convidado a retornar ao posto, Nicácio avaliará com cuidado. O profissional concorda que a população cascavelense deve prosseguir contando com a assistência. No lugar dele já passaram três médicos.

Peixoto na prefeitura

Outro dos servidores que deixaram o comando do Consamu é o ex-diretor administrativo José Peixoto Neto. Ele foi exonerado na mesma leva de Rodrigo Nicácio e sua cedência, referendada antes em assembléia dos associados, perdeu de imediato a validade, ocasionando o retorno à prefeitura. Pelo menos é o que entende o prefeito Leonaldo Paranhos e, como a Secretaria de Finanças necessitava de reforço, reencaminhou o funcionário à equipe da qual fazia parte antes de trabalhar no Consórcio durante seis anos. Jucenir se arrependeu da dispensa e quer Peixoto de volta, até aqui sem sucesso. O dirigente desconfia estar sendo alvo de retaliação ao não conseguir dobrar Paranhos. A instabilidade gerada entre mais de 750 funcionários diante do aparente desmonte administrativo, parece não afetar o trabalho das equipes de socorro. Pelo menos por enquanto.

Compartilhe essa notícia